Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on print
Print

TV online: Papo na Laje vai explorar novas linguagens

Com segunda temporada prevista para junho, Programa de TV pretende mostrar mais detalhes das diferentes favelas e periferias em que é gravado no Rio de Janeiro

.

Projeto vai experimentar novos formatos, além das lajes, alguns episódios serão em praças públicas e outros locais de interação de jovens nas periferias e favelas. – Sintropia Produções

.

A segunda temporada do programa de TV Papo na Laje vai estrear no dia 2 de junho e promete muitas novidades. Com temas como acesso à universidade, cultura nos territórios e esporte e solidariedade, o projeto vai experimentar novos formatos, além das lajes, alguns episódios serão em praças públicas e outros locais de interação de jovens nas periferias e favelas.

“Papo na Laje” é um programa feito por jovens e para jovens, segundo definem os seus organizadores. Na primeira temporada, que durou seis meses, os episódios foram gravados em lajes pelo estado do Rio de Janeiro e reuniu moças e rapazes para falar de experiências de protagonismo em favelas e periferias. O objetivo do projeto é mostrar a a força e a multiplicidade da juventude periférica, por isso, toda semana apresenta novos convidados.

Enquanto a nova temporada não estreia, é possível rever os episódios da primeira temporada. O programa Papo na Laje é transmitido na TV Comunitária do Rio de Janeiro, canal 6 da NET, todas as quintas, às 18h e no canal do YouTube do programa.

.

.

O diretor e roteirista do programa, Dieymes Pechincha, disse em entrevista ao programa Central do Brasil, uma parceria da rede TVT com o Brasil de Fato, que o diferencial do Papo na Laje está em ser feito exclusivamente por jovens que vivem a realidade da periferia – e essa característica vai ser mantida em todas as temporadas.

“O espaço da laje tem muitas potências. A laje na mídia é mostrado como lugar do fogueteiro, o lugar do tráfico, um lugar de risco. A gente quer apostar no lugar da laje pela vivência que a gente tem de jovens que vem de periferia”, explica o diretor.

A apresentadora do programa, Dani Câmara, acredita que o Papo na Laje traz à tona também as relações de afeto que existem dentro das comunidades. “Essa segunda fase vem recheada de escuta e poesia. Eu acredito que a gente tem brincado um pouco mais para encontrar a poesia nesses momentos de conversa nessa nova temporada”, diz Câmara.

.

Mais interação

O membro do Conselho Político do Papo na Laje, Itamar Silva, aposta na representatividade que o programa traz dos locais em que os episódios acontecem.

“O que eu realmente espero como alguém que gosta do programa é que a gente consiga ampliar o alcance do Papo na Laje, mas sem perder a essência da proposta que é de trazer território, mostrando a diversidade desses territórios cada vez mais”, relata Itamar.

O coordenador geral do programa, Rodrigo Marcelino, conta que a nova temporada vai trazer mais interação com os lugares em que os episódios são gravados.

“Vocês vão perceber que as gravações não são feitas apenas no set, a gente vai dar uma circulada dentro do território. Vai ter tomada aérea, vamos tentar apresentar melhor as favelas nas quais gravamos”, explica o coordenador.

Marcelino fala também que o projeto pretende criar maior conexão da juventude com o programa, e para isso, vão divulgar mais suas redes sociais durante os episódios.

“Além da divulgação do programa, a gente quer ouvir do público quais temas eles querem, queremos suscitar debates. […] Esse programa é feito com muito carinho, e a gente quer que ele seja visto e as pessoas interajam, por isso, eu convido todo mundo a nos seguir nas redes sociais do Papo na Laje”, finaliza.

.
Jéssica Rodrigues /Brasil de Fato